Galeria Videoclíptica da Animação

Publicado: 21 de julho de 2011 em Uncategorized

Anúncios

O dinheiro que compra o futuro!

Publicado: 23 de fevereiro de 2011 em Uncategorized

Desiludido desde sempre. Sem rumo consciente de um mundo ausente. O mundo se ausentou do dia-a-dia. Minha preocupação comigo mesmo é reflexo da minha preocupação com o mundo. Sim, sou curioso, tô sempre perguntando, mas nunca afirmando.

Gosto de estudar, mas só o que vejo sentido pra mim. Talvez seja egoísmo. Sou egoísta, essa é a real explicação de eu nunca falar com ninguém da vida real, mas soltar os pensamentos pra correr com o vento virtual. Levo uma vida falsa. Falsa porque me falta coragem de ser eu.

Em casa, na rua, ninguém me vê mesmo. Eu não me mostro. Quando ouso, sou agredido com olhares condenantes e cochichos ensurdecedores. No matter what I do, o que importa pra todos é se vai ter ganhos.

Não me importo com dinheiro. Nunca me importei. Mas preciso. Até quando ser sustentado pelos pais, cabrón?  É errado, eu sei.  200 Reais dão e sobram. Uma espécie de pena capital pro menino mau. E meus caprichos? Porque não aceito qualquer emprego, por isso não tenho nenhum. Os que realmente me interessam a proposta, nunca sou bom o bastante pra ocupar a vaga, segundo os caras do RH. Esse sou eu à primeira vista? Incapaz? O que querem? Vomito minha alma na mesa deles, exponho minha qualidades fantásticas e meus defeitos escabrosos, minha vontade de trabalhar e aprender insaciávelmente, estar sempre atento e sorrindo, de bom-humor e amando meus coleguinhas, mas não é o suficiente. REPROVADO. REPROVADO. REPROVADO.

Porra, daí é partir pra onde? Estudar? Faço isso desde sempre e só cheguei até aqui, o que é muito, mas o mundo me diz que não é suficiente. Eu não me esforço o bastante, é isso. Realeza anêmica.

Essa coisa de dinheiro, meu filho, é a única forma de sobrevivência me dói o coração, me congestiona os neurônios e me entope as veias sanguíneas.

Money is the root of all evil

Por isso eu escrevo.

 

Meu Melhor Natal

Publicado: 23 de dezembro de 2010 em Uncategorized

Era 24 de dezembro, 11 e pouco da noite. Camihava sozinho pelas ruas  e via casas em festa, bêbados comendo churrasco e pirralhos sanguinários estourando suas bombas. Numa esquina vazia e fria, avistei uma mulher maltrapilha e maltratada, com os braços estendidos, pedoindo esmolas e/ou comida. Ela dizia em voz alta:

“-É Natal, é Natal, minha gente, Seu Noel ainda não veio entregar o prato de arroz com feijão que pedi…”

Tinha dentes podres, fedia, mas naquele dia havia se “enfeitado” pra noite de Natal. Somente os cães de rua queriam sua compania, mas era só pra conseguirem comida mais fácil. Sentada na frente de um shopping, todo decorado com luzinhas que brilhavam e piscavam numa frequência enlouquecedora e um abominável Papai Noel robô  gigante (não contratavam homens pra fazer o papel de Noel mais), ela pedia aos passantes um pouco da piedade cristã daqueles consumistas que saíam do shopping ainda aberto, pra poderem vender até à meia-noite. As lojas estavam lotadas de pessoas que deixam tudo pra última hora.

Saíam tão felizes, com a felicidade embrulhada em papéis de presente decorados nas mãos que nem viam a pobre diaba e os cães à pedirem alimento. Os que viam, fingiam não ver. Alguns que passavam sozinhos, por hora jogavam moedas no chão e a mendiga saltava faminta à recolher. Pegava a(s) moeda(s) e às olhava por um instante, como se pensasse:

“-Que farei eu com isso, se o único lugar aberto agora é este maldito shopping que não me deixam entrar? O que sinto é fome! Prefiro as migalhas do seu panettone do quê moedas duras e sem gosto…”

Sentei-me do outro lado da rua e fiquei lá, observando-a. Via que dançava e cantava canções natalinas para os cães como se fossem suas crianças.

Uma senhora então se aproximou com um “tapué” e a entregou. Era peru, ou restos de um. A mendiga olhou pra senhora com cara de piedade, mas ao mesmo tempo enraivada e disse:

-Como tu, minha senhora, consegue se alimentar de uma vida no dia em que se comemora um nascimento?

A velha nada disse, apenas com espanto, jogou o peru no chão e se retirou com o ego ferido e o orgulho de cristã sendo arrastado no chão sujo. Os cães que partiram pra briga, pra se alimentarem da ave infortuna. Fizeram dela um sustento para seus pobres e podres buchos. A mendiga ignorou a oferenda da velha e pôs-se novamente à pedir com as mãos estendidas dizendo:

-É Natal, meu povo, é Natal, servos de Deus! Também tenho direito de comemorar o aniversário de Jesus, não?

Faltavam uns 13 minutos pra meia-noite. O papai Noel gigante que estava lá porta do shopping foi ligado e começou a tocar uma música em inglês:

Jingle bells, jingle bells, jingle all the way
Oh, what fun it is to ride
In a one horse open sleigh…

Há uns metros da mendiga, havia um farol onde a velha cristã que ofereceu o peru esperava fechar para atravessar a avenida e ir pra casa conar aos familiares o qunato foi “humilhada” por ter sido uma alma caridosa. O farol finalmente fecha e a velha põe o primeiro pé na rua, quando não mais que de repente, um carro em alta-velocidade vira a esquina e fura o farol vermelho descontrolado e atropela a velha, sobe na calçada e acerta em cheio a mendiga que estava de costas à dançar o “Jingle Bells”, e à esmaga contra o muro. Os cães tratam logo de se afastar chorosos! É MEIA-NOITE! Os fogos de artíficio comemoram.

À 00h06, o shopping já havia fechado e as luzes circulantes da polícia encontravam-se e misturavam-se aos piscas-piscas. O motorista do carro, um carinha de 20 e poucos anos é preso extremamente bêbado. O policial pergunta:

-Por que bebeu tanto e saiu dirigindo?

-Bebi o sangue de Cristo. O próprio me ofereceu o santo vinho e me disse pra comemorar porque Ele havia nascido. Então, peguei o carro que ganhei de presente de natal do papai e fui comemorar, ué? Que que tem, seu guarda? – rspondeu o bêbado.

A velha atropelada já estava entrando na ambulância e já partia em direção ao hospital particular de seu plano de saúde. Sofreu algumas escoriações e quebrou a perna. Não havia se formado uma multidão de curiosos, pois não queriam perder a ceia pra ver uma pobre coitada esmagada. A mendiga esperava a ambulância do hospital público.

Ainda “viva”, à 00h10, a mulher cuja o sangue se misturava à sujeira impregnada em seu corpo, agonizava ali no chão, ao lado do carro amassado, esperando a ambulância. O bêbado, com um corte na testa foi levado preso neste momento, acusado pelo bafômetro. (Dias depois o pai do sujeito pagou uma multa que o filho ganhou por dirigir bêbado e o tratamento da velha e foi liberado).

A mendiga percebeu que a hora da verdade (ou da mentira) estava chegando e disse com dificuldade ao policial que a olhava com nojo:

-É natal, meu caro! É natal. Finalmente fui digna de ganhar um presente nesse dia: um peru sem vida e um carro nas costas! Humm… M-Mas nunca-a imaginei q-que Jesus me quisesse co-como presente de-de aniversário… arghh… – Silenciou de repente, gemeu como um cão e sob aquele chão sujo, seu sangue escorreu suavemente todo pelo chão. Hora do óbito: 00H13. Enquanto agonizava ainda viva, durante esses 13 minutos tortuosos pensava:

-É assim mesmo que Tu me quer? Não esperou me tornar um pouco mais humana, meu Senhor? Este foi o presente de Natal mais significativo de toda minha podre vida: A MORTE! A minha passagem só de ida deste mundo injusto. Que será de meu corpo agora? Terei eu alma?

 

À 00:15, um pai com sua filha passam atrasados para a ceia pelo cenário do acidente. A menina vê o mix de luzes e escuto a sirene da ambulância que vinha chegando pra recolhar a mendiga e diz ao pai:

-Isso é natal, papai?

-É filha, feliz natal. querida! – diz o homem, não deixando a menina ver a morta.

O homem vê o corpo sem vida ali e olho pro Papai Noel-robô gigante e pensa:

-Que Papai Noel legal, minha filha iria adorar vê-lo ligado. É uma pena que já desligaram!

E os dois vão pro seu lar desejar o Feliz Natal., deixando pra trás aquela insignificância…

 

É o que desejo à você que enfeitou o seu lar, comprou seu peru, preparou sua ceia e chamou seu povo pra distribuir consumismos e falsidades:

Feliz Natal!

Porque nesse dia, só o que imorta é a felicidade. (E a comida, a bebida…)

-00:20 hs.

Pra vc eu digo sim!

Publicado: 20 de dezembro de 2010 em Uncategorized

SIM!!!

Deus E Os Loucos

Publicado: 26 de outubro de 2010 em Uncategorized
Tags:, , , , ,

Você é Deus e eu sou louco

Ninguém percebe isso, pois somos ótimos atores

Não tenho que acreditar em atores

Eles é que têm que acreditar em mim

Se Deus é louco, então também sou Deus

Deus não sai em capas de revistas

Deus não aparece na televisão

Porque Deus é muito feio, tem vergonha de ser uma aberração

Deus egoísta, não divide o poder com mais ninguém

Deus sabe fazer grandes jogadas de marketing

Deus não tem perfil em nenhuma rede social

Deus é bipolar, Deus não é ar, Deus não é homem, não é animal

Deus, meu Deus, não pode estar vivo

Se alimenta de lixo, respira poluição

Perdeu o corpo naquela esquina chique numa sexta-feira

Um padre achou o corpo com doenças contagiosas e as passou às freiras

Ó Criador, meu Senhor, não tens coração, não sentes tesão, por isso não   sente amor

A religião já está ultrapassada demais para causar tanta dor

Deus é virgem ainda, guarda tanto fervor

Tens a mente mais poluída do que um estrupador

Deus não tem valor, é só um pecador, um pobre diabo

Não aceita concorrência, sente inveja do Beuzebu

Não pode se drogar, ficar bêbado, roubar, trepar, num pau pegar

Deus se alimenta da morte, nos vigia tal qual  um urubu no ar.

A.A.S

Cotidiano Urbano

Publicado: 26 de outubro de 2010 em Uncategorized
Tags:, ,

Olhou no espelho e ele o olhou

Cinco e meia da manhã e já acordou

Dormir não era fácil, o sol nasceu

Ele acordou com os gritos da noite que morreu

Saiu de casa, pé na rua, vergonha alheia

Pessoas encaram, não está nu, anatomia feia

Ônibus lotado, pessoas de todos os tipos

Se esfregam, se tocam, fazem filhos

Emprego , escravidão, salário baixo

Chefe manda, trabalho pesado é coisa de macho

Sugam sua força, num sol de 40 graus

Rugas no rosto, calos na mão, no bolso 10 paus

Volta pra casa acabado após 10 horas

No ônibus, sentado, cede lugar à senhoras

As pernas doem, o trânsito para, todos se apertam

Ele dorme em pé enquanto as velhas fofocam

Chega em casa, filhos te abraçam

Toma banho frio, as dores não passam

Têm fome, a mulher morreu

Amanhã mais rotina de quem nunca venceu



Aquele Partido é mesmo dos Trabalhadores?
Adriano Alves
03/06/2010
(p/ meu tio Luís Carlos)

Epitáfio

Publicado: 22 de outubro de 2010 em Uncategorized

[Reflexões longínquas sobre a morte: NÃO MORRI, MAS VOU RENASCER]

Eu descubri que talvez eu tenha sido amado

Que minha vida era um porta-retrato

Com uma foto desfocada

Mas com uma imagem pra ser lembrada

 

Descubri que era um rebelde que se perdeu na própria fúria

Mas que sempre soube o caminho

E tudo que tive, não era meu

Era tudo de um alter-ego egoísta, eu era só um anjo ateu

 

Descubri que a vida é uma utopia

Que a realidade era o que eu sonhava

A verdade era mentira, não existia família

Descubri que devia ter ignorado aquela bela poesia

 

Descubri

Que tinha um método cético de viver,

Que tinha uma visão umbilical de tudo,

Que o beneplácito ao estilo apático

Era só uma metáfora para covardia

E que a vida ardia a cada suspiro,

A cada espirro uma bomba explodia

E então, explicando a melodia:

Eu era infeliz e sabia!

 

Eu morri quando nasci e nasci quando morri

E agora o suicídio é a solução porque ainda vivo

Rejeito a vida normal… SOCORRO!!!

Vivo num morro que morreu ao vivo

Aos olhos imbecis que choram num caixão

Fingem estar tristes por um cadáver frio e sem paixão

À vida que morreu,

Quando descobriu quem era EU!

  • DECLARO INDEPENDÊNCIA!!!
  • REJEITO SUA PACIÊNCIA
  • DESFAÇO MEU PACTO COM A CIÊNCIA
  • E A PARTIR DE AGORA EU FAÇO A REJÊNCIA
  • CHEGA DE DECADÊNCIA
  • MELHORAMOS A APARÊNCIA
  • QUEIMAMOS A DECÊNCIA
  • ACEITAMOS SUA DEMÊNCIA
  • COM LICENÇA, UPGRADE MINHA INTELIGÊNCIA!